BIOGRAFIA

Belmiro Mendes de Azevedo
Belmiro de Azevedo nasceu em Tuías, freguesia do Marco de Canaveses, no dia 17 de Fevereiro de 1938. É o mais velho dos oito filhos de Manuel de Azevedo, carpinteiro e agricultor, e de Adelina Ferreira Mendes, costureira.

Belmiro de Azevedo estudou na Escola Primária de Tuías, onde foi aluno do Professor Carlos da Silva Andrade, uma das pessoas que mais o marcou na sua formação. Nas palavras de Belmiro de Azevedo, aquele "era um professor que exigia muito trabalho, muito rigor, muita disciplina e não tolerava o erro". Complementarmente, e relativamente a si próprio, define-se como "um viciado na educação e tinha muita facilidade em aprender. Fazia isso com pouco esforço, comparativamente com outros colegas. E, além do mais, assumi o rigor do professor. A certa altura era quase uma questão de saber se era o professor que era mais rigoroso comigo ou eu com ele. Éramos dois maníacos do rigor, do zero erros, da perfeição completa."

Foi este professor que determinou o futuro académico de Belmiro de Azevedo, convencendo os seus pais de que, dada a sua facilidade de aprendizagem e inteligência, era crucial que ele prosseguisse os estudos. Foi, por isso, para o Porto, onde frequentou o Liceu Nacional Alexandre Herculano. Foi sempre aluno do quadro de honra e inclusive o melhor aluno do liceu no seu ano, ex-aequo com outro colega. Dispensou nas cadeiras todas, com uma média de 16 valores, e ingressou na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, onde se licenciou em 1964, em Engenharia Química Industrial.

Ainda antes de terminar o curso, com 24 anos, começou a trabalhar na Efanor (Empresa Fabril do Norte), empresa do ramo têxtil localizada em Matosinhos, tendo sido incumbido de montar uma unidade nova.

Pouco tempo depois, em Janeiro de 1965, e porque era um aluno prestigiado na Faculdade de Engenharia, foi convidado a ingressar como Diretor de Investigação e Desenvolvimento na Sonae – Sociedade Nacional de Estratificados, uma pequena empresa em dificuldades económicas e financeiras, que fabricava laminados decorativos, onde Belmiro de Azevedo iria poder colocar em prática a teoria de Schumpeter – a destruição criativa – que esteve na base de vários dos seus projetos e que demonstra a sua ousadia e o seu caráter empreendedor.

Em 1967, assumiu a função de Diretor-Geral e Administrador Delegado da Sonae e em 1973, por sentir um défice de formação na área da gestão empresarial, partiu para os Estados Unidos, onde frequentou o "Program for Management Development", na Harvard Business School, em Boston. Realizou posteriormente mais três pós-graduações: "Financial Management Program" na Universidade de Stanford, "Strategic Management" na Universidade de Wharton e "Global Strategy" na Universidade de Los Angeles, Califórnia.

Após este período, a biografia de Belmiro de Azevedo é especialmente bem ilustrada pelo desenvolvimento da Sonae, onde pôs em prática as suas competências de Gestão e cultura, pois foi na década de 80 que a Sonae, sob a responsabilidade de Belmiro de Azevedo, estendeu a sua actividade a novas áreas e novos países.

Em 1983, é constituída a Holding Sonae Investimentos, SGPS, SA e dá-se o lançamento da Sonae no mercado de capitais com uma capitalização bolsista de 500.000 contos (2,5 milhões de Euros), tornando-se Belmiro de Azevedo o accionista maioritário do Grupo.

Em 1985 abre o primeiro hipermercado Continente, em Matosinhos; em 1986 abre o Sheraton Porto Hotel (atualmente Porto Palácio Hotel); em 1988 é criada a Sonae Tecnologias de Informação; e em 1989 a Sonae Imobiliária – com os primeiros centros comerciais, a Star (agência de viagens), a Ibersol e a Rádio Nova. Em 1990, é lançado o jornal Público.

O Grupo aposta cada vez mais no retalho especializado (Worten, Sportzone, Vobis, Modalfa, etc) e na sua internacionalização, tornando-se no maior grupo empresarial e o maior empregador privado português.

Em paralelo com a actividade empresarial, criou, em 1991, a Fundação Belmiro de Azevedo, que desenvolve a política de mecenato da empresa, nas áreas da Educação, das Artes, da Cultura e da Solidariedade, em ações de parceria com indivíduos e entidades e contando com os colaboradores da empresa em ações de voluntariado.

Em 2008, esta Fundação abriu em Matosinhos o Colégio Efanor, no lugar das velhas instalações fabris onde Belmiro de Azevedo deu início à sua carreira profissional.

Atualmente acumula os cargos de Presidente do Conselho de Administração da Sonae SGPS SA, Presidente do Conselho de Administração da Sonae Indústria SGPS SA e Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da Sonae Capital SGPS SA.

Exerce também outros cargos em entidades externas: é Presidente do Conselho de Administração da EGP – Posto Business School, membro do European Advisory Board da Harvard Business School, membro do International Advisory Board da Allianz AG e membro honorário do WBCSD – Order of Outstanding Contributors to Sustainable Development.

Foi agraciado pelos Presidentes da República de Portugal e do Brasil e pelo Rei de Espanha, e igualmente pelas Universidades do Porto e dos Açores com um Doutoramento Honoris Causa.

Belmiro de Azevedo é casado com Maria Margarida Carvalhais Teixeira de Azevedo, farmacêutica, com quem teve três filhos: Nuno, Paulo e Cláudia.

Para além da inteligência, frontalidade e espírito empreendedor, Belmiro de Azevedo é reconhecido também pela sua frugalidade e eficiência, pelo seu sentido de ética, pelo incentivo à inovação constante e pela independência do poder político, valores que cultiva pessoalmente e que estende a toda a cultura do Grupo.